CCZ realiza controle de escorpiões no Cemitério da Vila Rezende

Autor: Texto: Felipe Poleti/CCS -- Fotos: Justino Lucente/CCS

Na manhã de ontem, segunda-feira, 30/05, o setor de Animais Sinantrópicos do CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), vinculado à Secretaria Municipal de Saúde de Piracicaba, retornou ao Cemitério da Vila Rezende para uma segunda ação de controle populacional de escorpiões realizada nos cemitérios do município. Nesta ação, foram capturados 30 escorpiões amarelos (espécie Tityus serrulatus). Além de auxiliar no controle destes animais no município, a iniciativa colabora com o Instituto Butantan na produção de soro antiescorpiônico, utilizado em seres humanos picados pelo animal peçonhento. Na última ação, em 23/05, foram recolhidos 28 escorpiões.

Conforme explicou o coordenador do CCZ, Matheus Santos, inicialmente a ação aconteceria no Cemitério da Saudade, porém, foi retomada na Vila Rezende. "Verificamos que o índice de incidência de escorpiões, bem como o de acidentes no Cemitério da Saudade está baixo, motivo pelo qual decidimos fazer nova ação na Vila Rezende, onde o aparecimento de escorpiões tem sido maior", esclareceu Santos, ao lembrar que os animais capturados foram encaminhados hoje, 31/05, ao Instituto Butantan.

De acordo com Santos, a ação que foi retomada na semana passada estava suspensa há quatro anos. "Retomamos as capturas e elas vão acontecer, inicialmente, as segundas-feiras. Este trabalho é realizado por dois funcionários do CCZ, devidamente treinados e colabora muito para o controle da população de escorpiões nos cemitérios".

Mauricio José Canale, agente do CCZ, faz a captura de escorpiões

Segundo o Departamento de Vigilância Epidemiológica (VE) de Piracicaba, de 1º janeiro até 23 de maio deste ano, foram registradas 438 ocorrências de picada de escorpiões na cidade; ao longo de 2021 foram 1.311 acidentes com escorpiões.

Em nenhum dos anos houve óbitos de pessoas picadas por escorpiões, mesmo assim, o número é preocupante, motivo pelo qual a Secretaria de Saúde pede atenção da população para evitar acidentes. "É um número preocupante e precisamos alertar a população. É possível evitar os acidentes com estes peçonhentos tomando cuidados rotineiros em casa, como a vedação de frestas de portas e janelas e dos ralos, bem como evitar acúmulo de entulho em casa e terrenos", destacou Filemon Silvano, secretário de Saúde.

CUIDADOS – A Secretaria de Saúde reforça que todo o trabalho do CCZ com relação aos escorpiões é baseado nos protocolos do Instituto Butantan (SP), que preconizam a prevenção, por meio do controle físico do ambiente. Dessa maneira, a orientação é que quintais, jardins, terrenos e áreas verdes ou áreas naturais de ocorrência de animais peçonhentos devem ser mantidos constantemente limpos, sem mato alto, lixo ou entulho, já que os escorpiões se abrigam nessas vegetações ou materiais, podendo invadir as residências próximas, ocasionando acidentes.

Em caso de acidente (picada) com escorpiões, a orientação é lavar o local com água e sabão, fazer compressa de água morna no local, procurar atendimento médico, imediatamente, em um pronto-socorro mais próximo do local da ocorrência. No caso de crianças até 10 anos de idade e idosos, devem ser encaminhados diretamente à Santa Casa de Piracicaba ou à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Vila Cristina, que são referência na cidade neste tipo ocorrência.

CCZ realiza controle populacional de escorpiões nos cemitérios da cidade

ESCORPIÕES – Existem duas espécies de escorpiões que ocorrem em Piracicaba, sendo o escorpião amarelo (Tityus serrulatus) e o marrom (Tityus bahiensis). O escorpião amarelo é o mais prevalente, tanto em população, quanto em ocorrência de acidentes e com maior agravo, já que possui veneno mais potente, além disso, é animal partenogenético, existindo somente fêmeas, as quais se reproduzem assexuadamente, sem a necessidade de parceiro, com o desenvolvimento do embrião a partir de um óvulo não fecundado. Com menos frequência, o escorpião marrom produz acidentes com menor gravidade; são animais com dimorfismo sexual (existindo macho e fêmea), com reprodução sexuada.

Imprimir